Thread Rating:
  • 0 Vote(s) - 0 Average
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Pão Espelta
#1
Shocked 
Depois de ler algumas das vossas experiências decidi-me a experimentar.
Primeiro de tudo devia tratar de criar a massa-mãe.
Encontrei as maças biológicas, fui buscar o mel e de repente reparo que tenho de esperar quatro ou cinco dias!! Bem diziam que o principal ingrediente para o pão era tempo. Mas bolas, quatro dias!
Como no fim de semana quero experimentar, vou tratar de comprar um fermento o menos quimico possivel.
Na loja onde comprei as maças, tinham lá uns sacos de farinha Espelta e respectivo fermento, que me pareceram suficientemente naturais. Deve servir:
[Image: c6YmEepCIYjThwE6wIrPs2in85p40BevDFKTDvEI...89-h217-no]

Pedi autorização à minha mulher para entrar na cozinha, ao que ela desconfiada comentou:
E vais mexer em algo mais que o micro ondas ou o frigorífico? Confessei que sim e sem lhe dar tempo para falar mostrei-lhe uma caixa de Ferrero Rocher. Foi suborno? Talvez. Mas que se lixe, quero é pão.
Imprimi várias descrições vossas e espalhei-as no balcão da cozinha.
Fui buscar uma batedeira, empurrei a família toda para fora da cozinha, cão incluído e fechei a porta à chave barricando-me no seu interior.
Os primeiros momentos foram dificeis, com todos a gritar impropérios e a pontapear a porta. Até o estupor do canídeo ladrava incessantemente. Mas fruto do cansaço lá sossegaram.
Escolhi pratos, caixas, talheres e ingredientes. Como a probabilidade de fazer asneira era considerável, resolvi fazer um pão pequeno.
Misturei à  mão 250 g de farinha espelta com 5g de sal refinado, e ainda 13 gr do fermento que mostrei acima, o tal Lev Epeautre. Juntei 170 gr de água. Liguei a batedeira e começei a rir a bandeiras despregadas. A massa rapidamente ficou consistente e começou a subir pelas pás da batedeira Smile
Percebi outra dica que li sobre usar as mãos e não máquinas.
Ok. Desliguei aquilo e começei a mexer à mão. Tal como um pega monstro (lembram-se) a massa colou a TODAS as partes das minhas mãos, mas não desisti. Continuei a amassar e a massa começou a ficar um pouco mais fácil de manusear. Amassei durante 8 minutos, coloquei num recipiente e deixei a levedar 3 horas e meia

[Image: P12vEbgVbgDPYTyfp55kHOECi5qsasdRgwKNwtzt...40-h705-no]

Saí da cozinha para acalmar e confortar a familia, garantindo-lhes que a possibilidade de explosão era remota. Não obstante guardei comigo a chave e por duas ou três vezes surpreendi a minha mulher com o que parecia ser uma gazua. Não imaginava que ela tivesse uma coisa dessas. Tenho de investigar melhor o passado dela.

 Passado o tempo determinado entrei na cozinha a ameaçar pontapear quem forçasse a entrada e a tentar que o cão me soltasse as calças, já rasgadas.

Peguei na massa, tendi, ou seja tentei dar um pouco de forma à massa e fiz um ou dois cortes de desenhos mais ou menos decentes, com uma gillete (com a máquina de barbear não deu) e deixei repousar mais 2 horas num pano de linho.

Aqui borrifei, excessivamente creio, com farinha para não colar ao pano.

[Image: KLPEVnV_srinD9zwVxuhx-9mnGZwFFGYjSDPGfI4...40-h705-no]
  
Aqueci o forno a 240, coloquei lá dentro uma forma de pudim, sem o pudim mas com um pouco de água e aqui percebi que não tinha um borrifador!
Consegui escapulir-me até à despensa, onde há vários borrifadores, pronto para fazer desaparecer o liquido limpa vidros ou limpa fornos que continham, mas depois de ler os ingredientes e as recomendações do que fazer em caso de ingestão, mudei de ideias.
Voltei pé ante pé para a cozinha e fazendo uma concha com a mão, molhei as paredes do forno e o pão. Não foi grande ideia, mas foi o que se arranjou.
Coloquei o pão lá dentro, ou melhor tentei não o deixar cair ao chão muitas vezes, marquei 15 minutos e fechei a porta do forno. Fiquei assim especado a olhar pelo vidro sem conseguir ver nada, na verdade.
Passados os 15 minutos baixei a temperatura para 190 e deixei mais 20 minutos.

[Image: kJZ_TVSp5qVCuxUSzOtxO7CEajM7mVBgsEPpM7pC...40-h705-no]

Rezei dois terços, um pai nosso e só para ir pelo seguro telefonei para um padre que conheço em Vilar de Perdizes que fez um esconjuro à distância.
Abri o forno e voila:

[Image: 2016-03-19%2B20.41.58.jpg]

Abri a porta da cozinha e assim que todos conseguiram passar por cima dos tachos, panelas, panos e bocados de massa espantei-os literalmente

[Image: 2016-03-19%2B20.42.31.jpg]

[Image: 2016-03-19%2B20.43.42.jpg]

Já na sala adicionei a minha mulher, a minha filha, queijo e presunto:

[Image: 2016-03-19%2B20.44.45.jpg]
e passado uns minutos :
[Image: 2016-03-19%2B21.52.47.jpg]

Acho que aprovaram. A repetir.
Obrigado pelas vossas ajudas
Reply


Messages In This Thread
Pão Espelta - by rui tavares - 2016-03-23, 21:37
RE: Pão Espelta - by jmsvl - 2016-03-23, 23:39
RE: Pão Espelta - by rui tavares - 2016-03-24, 09:58
RE: Pão Espelta - by Camilo Farinha - 2016-03-24, 17:22
RE: Pão Espelta - by rui tavares - 2016-03-24, 20:08
RE: Pão Espelta - by Julio - 2016-03-25, 13:37

Forum Jump:


Users browsing this thread: 1 Guest(s)